A catástrofe da Segurança Social

A fraude da Segurança Social actual.

Feliz Dia Da Libertação De Impostos 2018!

Celebra-se hoje em Portugal, dia 16 de Junho, O Dia da Libertação de Impostos. O Dia da Libertação de Impostos representa o dia em que em média os trabalhadores deixam de trabalhar para o estado (apenas para pagar impostos e assim cumprir as suas obrigações fiscais) e passam a trabalhar para si. Na prática, somos todos trabalhadores do estado durante quase meio ano.

Venezuela – o país onde se fez tudo bem

Apesar de não parecer a quem acompanha a imprensa portuguesa, há fome na Venezuela. O país está a ferro e fogo com a calamidade económica que se abateu. Esta situação certamente apanhará muitos comentadores políticos de surpresa. Afinal, desde que Chavez subiu ao poder, a Venezuela seguiu todas as políticas económicas certas (todas as receitas recomendadas pelos intelectuais socialistas).

Devemos privatizar o banco público

A CGD apenas trouxe custos brutais aos pagadores de impostos, sendo a sua função de “estabilidade do sistema” apenas uma bandeira para evitar a sua privatização e assim poder continuar a funcionar como um instrumento de poder político para financiamento de uma elite empresarial amiga, sem garantias e com muitos riscos. É preciso separar o Estado dos negócios. Quanto mais o Estado interfere na economia, mais clientelismo e corrupção teremos. Estas ajudas de um banco público a grandes empresas amigas nada têm que ver com livre mercado. É puro estatismo consequente da social-democracia/socialismo que reina no país. Capitalismo de compadrio nada tem que ver com livre mercado.

Um Fascista também pode ser eleito

Há vários exemplos de líderes totalitários que chegaram ao poder eleitos, desde casos já antigos como o regime Nazi (Nacional-Socialista) na Alemanha até recentes como os ditadores socialistas na Venezuela. Portugal teve José Sócrates, um primeiro-ministro de uma democracia liberal, certo?

Táxis vs Consumidores

Vejamos no caso dos taxistas: os clientes preferem usar um serviço diferente (ou porque é mais conveniente, ou porque é mais barato, ou porque os motoristas são mais simpáticos, etc.); um grupo de interesse não quer que exista concorrência e quer impedir que os clientes possam escolher fornecedores alternativos.

Uma defesa da humildade

No seu discurso de recepção do Prémio Nobel de economia, Hayek proferiu: “o esforço fatal do homem no sentido de controlar a sociedade – esforço que não apenas faz do homem um tirano de seus concidadãos, mas também pode levá-lo a destruir uma civilização que não foi engendrada por cérebro algum: uma civilização que tem prosperado como resultado dos esforços livres de milhões de indivíduos.” Ámen.

As recessões e o socialismo, segundo Mises

Mises esclarece-nos sobre essa lenda omnipresente de que um regime socialista, apesar de todos os seus eventuais defeitos, é capaz de evitar a recorrência dos ciclos económicos, (supostamente) característicos das sociedades capitalistas. É importante perceber que, apesar de esta obra ter sido pela primeira vez publicada em 1949, ainda hoje encontramos manuais de História do ensino básico que apresentam o regime soviético como um exemplo da imunidade socialista à Grande Depressão dos anos 30. A este respeito, vem-me à memória a velha anedota de que “a União Soviética só teve uma recessão ao longo da sua existência: foi precisamente a última.”

Salário Mínimo aumenta desemprego (um exemplo)

Apesar da evidência de que um aumento artificial do salário mínimo pode ter graves consequências na economia e na sociedade como o aumento do desemprego ou diminuição do emprego, nem os políticos nem os media parecem interessados em largar a sua “agenda” de interesses. Afinal de contas, é muito mais fácil vencer eleições prometendo dar em vez de tirar, e, no fim, quando as coisas correrem mal culpar os que arriscaram, os que produziram, os que inovaram...

A crise da Juventude, segundo Mises

De certo modo, o movimento dos jovens trata-se de uma revolta impotente e frustrada contra a ameaça da burocratização. Está condenado ao fracasso pois não ataca a semente do mal, que é a actual deriva para a socialização. Na verdade, não passa de uma expressão confusa de ansiedade, sem ideias claras nem um plano definido. Os adolescentes revoltosos estão tão completamente enfeitiçados pelas ideias socialistas que, na verdade, nem sabem bem o que querem.